Busca no site:

Inep defende avaliação censitária do ensino médio

São Paulo – O presidente do Inep (Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira), Luiz Cláudio Costa, defende que o ensino médio seja submetido a uma avaliação censitária, e não por amostra como ocorre atualmente com a Prova Brasil. O MEC (Ministério da Educação) estuda trocar a Prova Brasil pelo Enem (Exame Nacional do Ensino Médio) para calcular o Ideb (Índice de Desenvolvimento da Educação Básica) do ensino médio.

“A avaliação de o ensino médio migrar para o censitário é praticamente consensual [dentro do MEC], o outro [estudo] ainda em debate é o da matriz, da migração do Saeb/Prova Brasil para o Enem, esse está demandando mais estudos”, disse Costa a jornalistas nesta quarta-feira, depois de participar de um seminário sobre qualidade do ensino médio.

A evolução do Ideb no ensino médio foi tímida – passou de 3,6 (2009) para 3,7 (2011). Considerando apenas a rede estadual, o indicador ficou estagnado em 3,4, sendo que no Distrito Federal e em nove Estados houve queda. O governo nega que uma possível substituição da Prova Brasil pelo Enem na avaliação do ensino médio tenha como objetivo “maquiar” os números.

“Os resultados (da avaliação por amostra) são válidos, não há problema em trabalhar com a amostra, mas você envolve mais a sociedade, a escola, os professores quando você trabalha com a (avaliação) censitária, esses são resultados preliminares que ainda serão avaliados”, afirmou Costa.

O presidente do Inep pretende discutir o tema com secretários de Educação estaduais antes de qualquer definição. Uma das preocupações é não perder a série histórica projetada para os próximos anos – a meta do Ideb para 2021 é 5,2.

Durante uma das mesas do debate, Costa considerou “muito interessante” a proposta de usar o Enem como indicador de avaliação do ensino médio. “É possível numa mesma prova avaliarmos o estudante e a escola? Estamos fazendo um estudo profundo, a princípio, é muito interessante.”

O ministro da Educação, Aloizio Mercadante, destacou a articulação entre disciplinas e a distribuição de tablets com projetor digital para professores como forma de tornar o ensino médio mais atraente para os estudantes. Segundo o ministro, o governo também discute com as operadoras a melhora no serviço de banda larga para as escolas. “Quando se olha o Ideb, estamos estabilizados, estabilidade em educação em um País como o Brasil é retrocesso, temos problema e não tem como deixar de encarar isso com coragem”, disse Mercadante. “É formando bons professores que vamos melhorar a qualidade da educação.”

Para o ex-presidente do Inep João Batista Gomes, não se resolve um problema dessa natureza em menos de 20 anos. “Tem de ter continuidade das políticas. Hoje, o ensino médio é ineficiente, ineficaz, não dá pra resolvê-lo com uma geração”, declarou.

Fonte: UOL


Criado em: 16 out 2012 | Tags: , , , ,
Categoria: Notícias |

Escolas com tempo integral têm forte evolução no desempenho

Escolas participantes do programa Mais Educação, com todos os estudantes matriculados no regime de tempo integral, apresentaram evolução significativa de desempenho na Prova Brasil. A constatação é de estudo da Secretaria de Educação Básica (SEB) do Ministério da Educação. O Mais Educação (PME) atende instituições de ensino com baixos indicadores de qualidade educacional localizadas em zonas de vulnerabilidade social. Contabilizadas todas as escolas que participam do programa, o desenvolvimento também foi melhor do que a média nacional.

No estudo, a SEB selecionou as médias de três grupos de escolas — as do PME em que todos os alunos estudam em tempo integral; todas as escolas vinculadas ao PME; escolas públicas do Brasil. A partir daí, foi feita a comparação da evolução do rendimento, por grupo, nas áreas de língua portuguesa e matemática nas edições da Prova Brasil de 2007, 2009 e 2011.

As médias em português dos estudantes do quinto ano das escolas do PME com 100% das matrículas em tempo integral passaram de 164,19 em 2007 para 182,81 em 2011. Em matemática, de 180,71 para 201,87 no mesmo período. Nesse mesmo espaço de tempo, os estudantes do nono ano passaram de 227,31 para 238,62 em português e de 236,03 para 244,13 em matemática.

Em língua portuguesa, a diferença entre a média nas escolas do PME 100% integral e de todas as escolas públicas do Brasil, para estudantes do quinto ano, diminuiu de 7,21 pontos em 2007 para 2,68 em 2012, o que significa evolução. As médias em matemática dos estudantes do nono ano do ensino básico de escolas do PME 100% integral, que eram 4,53 pontos inferiores à média nacional em 2007, em 2011 foram 1,1 ponto superiores.

Diálogo — De acordo com a diretoria de currículos e educação integral da SEB, Jaqueline Moll, o programa Mais Educação é uma ação indutora que promove a ampliação efetiva da jornada escolar. “Nós nos habituamos a uma escola de quatro horas; o caminho que buscamos com o Mais Educação é aumentar o número de horas na escola, com um diálogo entre os conteúdos tradicionais e instrumentos e temas contemporâneos”, afirmou.

O Mais Educação foi criado em 2007 para atender, inicialmente, 1.380 escolas que apresentavam os piores resultados no índice de desenvolvimento da educação básica (Ideb) e eram consideradas em situação de vulnerabilidade. De acordo com a proposta do programa, no turno oposto ao das aulas, os alunos têm acompanhamento pedagógico obrigatório. Contam ainda, com café da manhã, almoço e lanche. Os professores ajudam nas tarefas, tiram dúvidas e dão aulas de reforço, principalmente de português e matemática.

Este ano, o programa chegou a 32 mil escolas. Para os próximos anos, a perspectiva é de ampliação. “A meta é atender 60 mil escolas em 2014”, disse Jaqueline Moll. O orçamento é de R$ 1,5 bilhão, oriundos do Programa Dinheiro Direto na Escola (PDDE) e do Plano Nacional de Alimentação Escolar (Pnae).

Com o desenvolvimento do PME, o número de escolas com 100% das matrículas em tempo integral aumentou 178,9% — de 161 unidades em 2010 para 449 em 2011. O total de estudantes atendidos nessas escolas passou de 59.274 para 132.706 no mesmo período, o que significa aumento de 123,9%. “O programa permite que as escolas criem um ambiente favorável à permanência e ao aprendizado dos estudantes”, destacou Jaqueline.

Apenas os estados do Acre, Amapá e Sergipe não contam ainda com escolas com 100% de alunos matriculados no regime de tempo integral.

Confira as tabelas com a evolução dos grupos de escolas

Fonte: MEC


Criado em: 08 out 2012 | Tags: , , ,
Categoria: Notícias |

Brasil tem ensino de 1º Mundo em 82 escolas junto à pobreza

No Brasil, dentre as mais de 40 mil escolas públicas, 82 se destacam pela excelência em meio à pobreza. Elas atendem alunos que estão entre os 25% mais pobres do País e conseguem atingir no Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb), principal avaliação federal de qualidade do ensino, média igual ou superior a 6, considerada pelo MEC como de nações desenvolvidas. O levantamento foi feito pelo jornal O Globo com a ajuda do economista Ernesto Martins Faria, da Fundação Lemann.

Para identificar este grupo, o economista calculou, a partir das respostas de alunos sobre posse de bens de consumo nos questionários respondidos na Prova Brasil – exame do Ministério da Educação aplicado a todos os colégios públicos do País -, um indicador do nível socioeconômico de cada estabelecimento. As 43.574 escolas públicas para as quais foi possível fazer este cálculo foram então ranqueadas de acordo com o nível de pobreza dos estudantes e pelo desempenho no Ideb. Entre os exemplos, está um colégio no interior do Amazonas, onde professores vão buscar em casa alunos faltosos e alfabetizam pais que não sabem ler. Outro modelo está em uma escola de filhos de lavradores na zona rural de Teresina, que teve o Ideb mais alto da rede pública no Nordeste.

Fonte: www.terra.com.br


Criado em: 09 jul 2012 | Tags: ,
Categoria: Notícias |

Gestores terão acesso aos resultados da Prova Brasil 2011 na segunda-feira (04/06)

Brasília – Os resultados preliminares do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Básica (Saeb) referentes à Prova Brasil 2011 estarão disponíveis na internet (site http://portal.inep.gov.br) na segunda-feira (4). Diretores escolares e secretários de educação de estados e municípios poderão conhecer o desempenho das escolas e das redes de ensino apenas acessando o sistema de divulgação online ou por meio do login e senha do Educacenso.

De acordo com a portaria do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) publicada no Diário Oficial da União de hoje (1º), os gestores escolares terão até 13 de junho para pedir ao Inep eventuais correções nas médias de desempenho. A partir dessa data, os dados estarão disponíveis a toda a sociedade. No caso da Prova Brasil, aplicada a estudantes de 5º e 9º anos, ainda pode ser observado o desempenho específico das escolas públicas urbanas do país.

O recurso a ser interposto por gestores ao Inep deve ocorrer por meio de ofício assinado pelo diretor da escola ou secretário municipal ou estadual de educação com as justificativas que fundamentem a solicitação de correção. Os ofícios deverão ser digitalizados, anexados e enviados por meio de formulário eletrônico no endereço http://portal.inep.gov.br/institucional-faleconosco. Só serão aceitos recursos encaminhados por meio eletrônico.

A Prova Brasil e o Sistema Nacional de Avaliação da Educação Básica (Saeb) – promovidos pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) – servem para avaliar o sistema educacional brasileiro, a partir de testes padronizados e questionários socioeconômicos.

Professores e diretores das turmas e escolas avaliadas também respondem a questionários que coletam dados demográficos, profissionais e de condições de trabalho. A partir das informações do Saeb e da Prova Brasil, o Ministério da Educação e as secretarias estaduais e municipais de Educação podem definir ações voltadas ao aprimoramento da qualidade da educação no país e a redução das desigualdades.

As médias de desempenho nessas avaliações também subsidiam o cálculo do Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb).

Fonte: Agência Brasil de Notícias


Criado em: 04 jun 2012 | Tags: , ,
Categoria: Notícias |