Busca no site:

Provas do Saerj 2012 terminam hoje

Alunos com melhor desempenho serão premiados com computadores portáteis.

De 27/11 até a próxima quinta-feira (29/11), os alunos da rede estadual começaram a realizar as provas do Sistema de Avaliação da Educação do Estado do Rio de Janeiro (Saerj) 2012. O objetivo principal da avaliação é fazer um diagnóstico do ensino no estado.

Os testes serão aplicados para o 5º ano do Ensino Fundamental (27/11), 9º ano do Ensino Fundamental (28/11), 3ª série do Ensino Médio e 4º ano do Curso Normal (29/11). O mesmo período atenderá aos estudantes das fases equivalentes da Educação de Jovens e Adultos (EJA) e aos concluintes do Programa Autonomia.

É por meio dos resultados do Saerj que a Secretaria de Estado de Educação identifica as deficiências de cada escola, para que possa atuar visando elevar o nível e a qualidade do ensino oferecido pela rede.

O exame, que avalia os alunos nas disciplinas de Português e Matemática, analisa as habilidades que os alunos desenvolveram a partir dos conhecimentos adquiridos em todo o período escolar. As provas de Língua Portuguesa possuem foco em leitura, e as de Matemática buscam testar os alunos na resolução de problemas.

A previsão é de que o resultado do Saerj esteja disponível no primeiro bimestre letivo de 2013.
Resolução institui premiação para alunos da rede que participarem do Saerj

A Secretaria de Estado de Educação publicou, no Diário Oficial desta terça-feira (27/11), a Resolução Seeduc nº 4839, que institui a premiação de alunos da rede estadual que participarem das provas do Sistema de Avaliação da Educação do Estado do Rio de Janeiro (Saerj) 2012.

De acordo com a publicação, os dez mil alunos que obtiverem o melhor desempenho receberão, como premiação, computadores portáteis. A relação dos contemplados ficará disponível no site da Seeduc.

Os alunos que fazem cursos em duas escolas diferentes só poderão receber a premiação por uma das unidades, valendo aquela na qual obtiver a maior pontuação. O mesmo critério será adotado para os estudantes que fazem dois cursos na mesma unidade. Esses concorrerão por um dos cursos, valendo aquele de maior pontuação.

O estudante que não comparecer à cerimônia de entrega terá um prazo de 90 dias para comparecer à Diretoria Regional Pedagógica, responsável por sua unidade escolar, para recebimento do equipamento. Quem não comparecer dentro do prazo estipulado perderá o direito de receber o prêmio.

De acordo com a superintendente de Avaliação e Acompanhamento do Desempenho Escolar, Vânia Machado, a premiação tem como objetivo incentivar a participação dos estudantes no Saerj.

- Para chegarmos a conclusões mais exatas, é importante que o maior número possível de alunos participem das provas. Além de receber a premiação, que reconhece os esforços dos mais dedicados, ao fazer a avaliação, os estudantes cumprem seu papel como cidadãos, contribuindo para a melhoria da educação estadual – afirmou Vânia Machado.

Fonte: Secretaria de Estado de Educação do Rio de Janeiro


Criado em: 29 nov 2012 | Tags: , ,
Categoria: Notícias |

Professores do Estado do Rio de Janeiro conhecem o sistema educacional de Coreia do Sul e China

A comitiva conhece experiências bem-sucedidas.

Uma comitiva da Secretaria de Estado de Educação iniciou na última semana uma missão à Coreia do Sul (Seul) e à China (Pequim e Xangai). O foco da visita a esses países é conhecer os sistemas de avaliações para estudantes e docentes, unidades escolares e como se desenvolvem as políticas educacionais.

A missão é formada por docentes, diretores de escolas, diretores regionais, gestores públicos e membros das superintendências de Avaliação e de Gestão de Pessoas.

- Quando iniciamos nosso planejamento estratégico, em 2011, buscamos muitas informações e nos baseamos nos sistemas coreano e chinês. Colhemos excelentes resultados, e agora queremos avançar ainda mais. Para isso, nada melhor do que conhecer de perto o sistema educacional desses locais -, afirmou o secretário de Estado de Educação, Wilson Risolia.

Na Coreia do Sul, o objetivo é conhecer o sistema de avaliações externas e as unidades escolares. Na quarta-feira (19/09), a comitiva fez reuniões no Ministério da Educação da Coreia do Sul; no Korean Educational Development Institute (KEDI) e no Korea Institute for Curriculum and Evaluation (KICE).

Na quinta-feira (20/09), os professores visitaram a província de Chungcheongbuk, onde se reuniram com representantes da Secretaria de Educação local. Em seguida, a comitiva visitou escolas, entre elas a Science High School.

“A Coreia do Sul quer transformar-se em uma potência em recursos humanos. Para isso, temos que ser sempre os melhores em Educação. Nossos estudantes são brilhantes, mas a nossa organização é essencial para isso”, afirmou Taeje Seong, presidente do KICE, instituto criado em 1998, e especialista em avaliação de estudantes.

Já o presidente do KEDI – instituto especializado em estudar os sistemas de Educação e seus avanços -, afirmou que a Coreia quer tornar-se o país mais avançado do mundo em estudos do funcionamento do cérebro, para ajudar crianças e jovens a serem cada vez melhores.

O diretor da divisão de planejamento educacional do Ministério da Educação, Ciência e Tecnologia da Coreia do Sul, Chon Hong Kim, explicou que a Educação coreana se baseia no tripé “família, escola e aluno”. “As famílias aqui participam diretamente da educação. Vão às escolas, ajudam no trânsito na hora da entrada e saída e acompanham as lições”, contou.

Segundo a diretora geral do Ministério, Youmi Suh, uma das principais características do desenvolvimento educacional está na formação dos professores.

“Os mais bem avaliados recebem incentivos e treinamento no exterior”, disse.

Na China, o foco da missão é conhecer o sistema de gestão de pessoas, assim como o sistema de meritocracia e seleção. Em Pequim, os representantes da Seeduc visitarão os Órgãos Nacional e Local de Educação e unidades escolares.

Já em Xangai, os professores fluminenses reúnem-se com autoridades e representantes locais, para debater como Xangai atua na Educação e conhecer o que a levou a ser a 1ª no ranking internacional do PISA (Programme for International Student Assessment), além de visitar colégios e conversar com estudantes. Depois, encontram-se com membros do Órgão Local de Educação de Xangai.

Proposta de intercâmbio no último dia de visita à Coreia do Sul

Nesta sexta-feira (21/09), a delegação da Secretaria de Estado de Educação, liderada pelo secretário Wilson Risolia, visitou a província de Chungcheongbukdo.

Os professores conheceram a Science High School; o Museu da Educação (Students Education and Cultural Center); e reuniram-se com o governador de Educação de Chungcheongbukdo – o equivalente a secretário de Estado de Educação local -, Lee Kee Yong.

Risolia e Lee Kee Yong iniciaram uma negociação para que haja um intercâmbio entre alunos e professores coreanos e fluminenses, para que os dois estados possam desenvolver novas parcerias educacionais.

“Vamos estreitar laços e crescer conjuntamente”, afirmou o governador de Chungcheongbukdo.

Risolia propôs a criação de um colégio nos moldes do programa Dupla Escola, no qual o governo coreano seria parceiro na área de ciências exatas, para a educação de futuros cientistas.

Em Chungcheongbukdo, há a Science High School, uma academia de Ciências fundada em 1989 com foco em experimentações científicas.

 

“Já formamos mais de mil cientistas. Os nossos alunos desejam ser doutores antes dos 30 anos de idade. Essa é uma escola que, se o desempenho do estudantes for acima da média, ele pode entrar para a universidade já na 2ª série do Ensino Médio”, disse o diretor geral do colégio, Sang-Ju Hyun.

 

A comitiva da Seeduc visitou, ainda, o Students Education and Cultural Center, um museu que conta a história da Educação coreana.

 

 

Informações sobre o sistema educacional da Província de Chungcheongbukdo:

- Foi, por três anos consecutivos, a melhor província da Coreia do Sul em Educação;

- O professor é avaliado anualmente;

- As escolas que apresentarem melhores práticas de gestão recebem bônus;

- Possui 238 mil alunos e 14 mil docentes;

- Os alunos com pior desempenho recebem acompanhamento individual;

- O governo coreano não arca com transporte nem com uniformes para os estudantes;

- O orçamento anual é de US$ 1,7 bilhão, incluindo verba do governo federal, local e doações.

Informações sobre o sistema educacional coreano:

- Após cursar faculdade de Pedagogia, o cidadão, para se tornar professor, além de fazer concurso, passa por exame, entrevista e prova prática;

- Um professor, para tornar-se diretor adjunto de escola, tem que ter, no mínimo, 21 anos de rede;

- A Coreia do Sul possui 11,5 milhões de estudantes e 551 mil docentes;

- O salário de um professor com dez anos de rede é de cerca de US$ 3 mil;

- A cada cinco anos, o docente é transferido para novos postos de trabalho;

- 2,7% da receita tributada destinam-se a investimentos em Educação;

- O país investe 4,5% do PIB em Educação;

- Há, por ano, 650 mil inscritos para o vestibular;

- A Coreia tem 49 milhões de habitantes;

- 99% dos alunos fazem cursos extracurriculares;

- Cinco anos após se formar, o docente volta para a universidade e faz especialização com carga horária de 300 horas.

 


Criado em: 24 set 2012 | Tags:
Categoria: Avaliação Externa, Notícias |

Metropolitana V realiza palestra “Os aspectos da Avaliação Externa” (Rio)

Diretores, orientadores, professores e alunos discutiram as avaliações realizadas pela Seeduc.

Diretores, orientadores pedagógicos, professores e alunos da Diretoria Regional Metropolitana V (Duque de Caxias) debateram “Os aspectos da Avaliação Externa”. A superintendente de Acompanhamento e Avaliação, Vânia Machado, falou sobre os aspectos e a importância das avaliações realizadas pela Seeduc. Leia +


Criado em: 13 jun 2012 | Tags: , ,
Categoria: Avaliação Externa, Notícias |

Avaliação aponta cenário para intervenção pedagógica na escola

Cerca de 600 educadores se reúnem esta semana para discutir as contribuições da avaliação educacional para o ensino.

Mais que perguntas e respostas que testam o conhecimento sobre um determinado assunto, as avaliações educacionais podem oferecer um importante suporte aos professores e especialistas nas escolas. Com esse ponto de partida teve início nessa terça-feira (22/05), o ‘Encontro de Avaliação Educacional: Trabalhando os Resultados do Simave’. A capacitação reúne cerca de 600 educadores de todas as regiões do Estado no Instituto de Educação de Minas Gerais, em Belo Horizonte.

Na solenidade de abertura, a secretária de Estado de Educação, Ana Lúcia Gazzola, explicou que encontros como esse representam uma oportunidade para a troca de experiências. “Essas capacitações contínuas são muito importantes, não só pelos aspectos teóricos e metodológicos, mas pela troca de boas práticas. O grupo constrói uma coesão para garantir uma intervenção qualificada em todo o Estado. Temos um modelo bem sucedido no qual continuamos a investir muito”, apontou.

A capacitação vai até o próximo dia 25. Durante o encontro, os responsáveis pelo Programa de Intervenção Pedagógica (PIP) e pelos exames do Sistema Mineiro de Avaliação da Educação Pública (Simave) assistirão a palestras e participarão de oficinas. Entre os temas a serem abordados durante os quatro dias estão: ‘A influência dos fatores associados na avaliação externa’ e ‘Analisando os Projetos Político – Pedagógicos das escolas estaduais para garantir a sua reestruturação’.

“Temos que reforçar a ideia da avaliação como o caminho a ser traçado na busca por uma aprendizagem de qualidade”, destacou a analista educacional da Superintendência Regional de Ensino de Nova Era, Francinei Rodrigues Santiago.

Para a analista educacional da Superintendência Regional de Ensino de Manhuaçu, Fátima Gonçalves de Souza Costa, as discussões do encontro vão qualificar o diálogo entre o educador que visita a escola e o professor. “Com essa discussão sobre as avaliações, nós podemos orientar melhor as escolas no processo de intervenção pedagógica”.

A relação entre professor e aluno é outra que pode melhorar a partir da intervenção pedagógica. “Sabendo utilizar as avaliações para traçar um bom plano pedagógico, o professor consegue dar mais qualidade ao seu tempo de aula e ao seu tempo com o aluno”, analisa a diretora educacional da Superintendência Regional de Ensino de Pará de Minas, Silvânia de Fátima Belmonte.

O ‘Encontro de Avaliação Educacional: Trabalhando os Resultados do Simave’ é um trabalho integrado da Superintendência de Avaliação Educacional com a Superintendência de Desenvolvimento da Educação Infantil e Fundamental.

Simave

O Sistema Mineiro de Avaliação da Educação Pública (Simave) é composto pelos exames do Programa de Avaliação da Alfabetização (Proalfa), Programa de Avaliação da Rede Pública de Educação Básica (Proeb) e o Programa de Avaliação de Aprendizagem Escolar (PAAE).

Com essas ações, a Secretaria realiza diagnósticos educacionais para identificar as necessidades e as demandas do sistema de ensino, das escolas, dos professores e dos alunos. Com os dados, a SEE desenvolve ações para qualificação de educadores, valorização da escola pública e o fortalecimento da qualidade da educação em Minas Gerais.

Fonte: Secretaria de Estado de Educação de Minas Gerais


Criado em: 22 mai 2012 | Tags: ,
Categoria: Avaliação Externa, Notícias |

Governo de Minas divulga resultados do programa de avaliação de desempenho dos alunos da rede estadual

Série histórica demonstra tendência de elevação da proficiência média dos estudantes do 5º e do 9º ano do ensino fundamental e do 3º ano do ensino médio

Os resultados da última edição (2011) do Programa de Avaliação da Rede Pública de Educação Básica (Proeb) revelaram uma pequena redução nos índices de proficiência média em Língua Portuguesa e Matemática para os níveis avaliados. Apesar da retração, os dados da série histórica – a metodologia de avaliação do Proeb foi consolidada em Minas Gerais a partir de 2006 – demonstram tendência de elevação da proficiência dos alunos do 5º e do 9º ano do ensino fundamental e do 3º ano do ensino médio em Língua Portuguesa e Matemática.

Comparados com os resultados do Proeb 2010, houve redução dos índices de proficiência média em Língua Portuguesa e em Matemática da rede estadual para os três níveis avaliados (5º e 9º ano do ensino fundamental e 3º ano do ensino médio). O comportamento verificado na rede estadual também foi percebido nas redes municipais do Estado de Minas Gerais. Exceção para o desempenho em Matemática dos estudantes 5º ano das redes municipais. Neste caso, a proficiência média cresceu. As avaliações do Proeb foram aplicadas de 21 a 25 de novembro de 2011.

De acordo com a secretária adjunta de Educação, Maria Céres Pimenta Spínola Castro, não é possível apontar uma única causa para esse resultado. Segundo ela, “a realidade é complexa e seguramente um conjunto de fatores pode ter influenciado os resultados”. No entanto, a secretária adjunta de Educação destaca que o resultado alcançado em 2011 não altera a tendência de crescimento verificada nos últimos anos.

Se houve uma retração dos índices da proficiência média, também foram registrados avanços importantes em regiões e escolas em todo o estado. “Temos escolas, por exemplo, em que os níveis recomendados de proficiência, em Português e Matemática, no 5º ano do ensino fundamental foram alcançados por todos os alunos, como nos municípios de Centralina, Igarapé e São Sebastião do Paraíso”, destaca a secretária adjunta de Educação. “Há avanços importantes registrados também no 9º ano do ensino fundamental e no 3º ano do ensino médio”, completa Maria Céres.

Em setenta (70) escolas, a elevação dos índices no 5º ano do ensino fundamental foi superior a 25 pontos; em vinte e cinco (25) do 9º ano do ensino fundamental a elevação foi igual ou superior aos 25 pontos; e em dezenove (19) escolas do ensino médio a elevação atingiu patamares similares na comparação dos resultados de 2011 e 2010. Os 25 pontos significam um grande avanço, pois representam 5% da escala do teste, o que em outras palavras, vai de 0 a 500 pontos.

Leia a matéria na íntegra no site da Secretaria de Estado de Educação de Minas Gerais