Busca no site:

SED capacita aplicadores dos testes do SAEMS

A Secretaria de Estado de Educação (SED) realizará nos dias 6 e 7 de novembro a Avaliação Estadual Externa de Desempenho (SAEMS) para estudantes dos 1º, 2º, 3º e 4º (quando houver) anos do ensino médio, nos componentes curriculares de Língua Portuguesa/Produção de Texto e Matemática.

A realização desse processo avaliativo tem por finalidade aferir e acompanhar a qualidade do ensino em Mato Grosso do Sul, refletir sobre o direcionamento dos recursos, além de fornecer informações consistentes, periódicas e comparáveis sobre o desempenho dos estudantes, as quais permitem, também, que os gestores escolares tenham uma análise que favorecerá na definição de suas políticas pedagógicas de aprimoramento interno.

Em virtude da natureza peculiar e da especificidade que o trabalho com a avaliação em larga escala requer, a SED priorizou os profissionais das unidades escolares como importantes colaboradores para coordenar os trabalhos e aplicar os testes do SAEMS, garantindo, dessa forma, qualidade e confiabilidade nos resultados.

O treinamento dos aplicadores será, simultaneamente em todas as unidades escolares que oferecem o ensino médio, na próxima quinta-feira (1º), pelos coordenadores do SAEMS de cada escola, nos três turnos, com aula programada apenas para os professores envolvidos no processo avaliativo.

Fonte: Secretaria de Estado de Educação do Mato Grosso do Sul


Criado em: 31 out 2012 | Tags: ,
Categoria: Notícias |

Gerentes das GREs e Supervisores Municipais recebem capacitação sobre o Saepi 2012

Na manhã desta terça-feira (30), a Secretaria de Estado da Educação e Cultural (Seduc), em parceria com o Centro de Políticas Públicas e Avaliação da Educação da Universidade Federal de Juíz de Fora – CAEd/Ufjf, realizou a abertura da Capacitação de Agentes do Sistema de Avaliação Educacional do Piauí (Saepi) para as Gerências Regionais de Educação e Supervisores Municipais.

O Saepi tem o objetivo de avaliar as escolas municipais e estaduais, com relação às habilidades e competências desenvolvidas em Língua Portuguesa e Matemática. O programa avalia estudantes da 4ª série/5º ano e 8ª série/9º ano do Ensino Fundamental e 3º ano do Ensino Médio em Língua Portuguesa e Matemática.

“Essa capacitação é muito importante, pois ela focaliza os indicadores e dificuldades para que a escola tenha um mapa do seu desempenho obtido através da avaliação e isso possibilita diagnosticar e resolver os problemas” é o que destaca Joana Dark, coordenadora de apoio pedagógico da gerência de ensino fundamental da Seduc.

Cerca de 220 educadores participam da formação, que nesta manhã foi voltada para os gestores da 9ª à 17ª GRE, onde os conteúdos vistos serão posteriormente trabalhados nas escolas, para criação de ações desenvolvidas a partir desses estudos.

A coordenadora de operações de campo do Caed-Ufjf, Lulude Furiati, explica o objetivo do encontro e como serão realizados os trabalhos.

“Nós estamos fazendo a capacitação dos agentes que vão trabalhar na avaliação, através de uma reflexão dos procedimentos de aplicação e mostrando aos participantes os padrões a serem seguidos para que isso aconteça de forma satisfatória”, afirma.

Lulude também falou das expectativas da parceria com a Seduc.

“Quando a parceria é boa o trabalho é melhor ainda e nosso objetivo é que o Saepi 2012 seja um sucesso”, comenta.

Na próxima quarta-feira (31), será a vez das demais gerências regionais passaram pela formação, que acontece no Auditório Dep. Francisca Trindade, no Centro Administrativo.

Confira a programação:

30/10-2012 e 31/10/2012

08:00 – Abertura Caed e SEDUC
08:45 – Intervalo para Cofee Break
09:00 – Início da Capacitação sobre o S.I.A (Sistema de Pagamento)
12:00 – Intervalo para o almoço
13:30 – Início da Capacitação sobre Logística de Aplicação
16:00 – Intervalo para cofee break
16:15 – Início do Treinamento sobre os manuais dos Agentes
18:00 – Encerramento

Maiores informações: (86) 3216-8420/3216-3803

Fonte: Secretaria da Educação e Cultura do Piauí


Criado em: 30 out 2012 | Tags: ,
Categoria: Notícias |

Secretaria da Educação capacita para aplicação do SAEP

A Secretaria de Estado da Educação (SEED) promoveu, nessa segunda-feira (22), em Curitiba, o encontro de capacitação da 1ª edição do Sistema de Avaliação da Educação Básica do Paraná (Saep). Coordenadores locais dos 32 Núcleos Regionais de Educação (NRE) do estado serão os responsáveis em repassar os conteúdos adquiridos para os diretores das escolas, que, por sua vez, transmitem aos aplicadores das provas.

As provas serão aplicadas pela Secretaria no dia 22 de novembro. Alunos do 9º ano do ensino fundamental, do 3º ano do ensino médio e do ano de conclusão de curso técnico e de formação docente na modalidade integrado irão responder questões de Língua Portuguesa e de Matemática. Professores e diretores também devem responder questionários sobre práticas pedagógicas e de gestão.

A escola receberá material de orientação para interpretar os resultados e, dessa forma, cada professor poderá aperfeiçoar sua prática docente conforme a necessidade revelada pelos resultados. “A partir da análise dos resultados, será possível definir ações de intervenções voltadas para o processo de melhoria da educação”, explicou o coordenador de Planejamento e Avaliação, da Diretoria de Políticas e Programas Educacionais da SEED, Leandro Jiomeke.

Com o objetivo de diagnosticar a aprendizagem dos alunos e oferecer subsídios à prática docente, as provas do Saep serão aplicadas nas 2,1 mil escolas, atingindo aproximadamente 250 mil alunos.

Fonte: Secretaria de Estado de Educação do Paraná


Criado em: 24 out 2012 | Tags: , ,
Categoria: Notícias |

Inscrições abertas para Agente do Spaece 2012

Estão abertas até 28 de fevereiro de 2013 as inscrições para credenciamento como agente do Sistema Permanente da Avaliação da Educação Básica do Ceará (Spaece) 2012. O interessado deve ter experiência docente de no mínimo um ano e formação superior ou curso em andamento.Para efetivar a participação, é necessário apresentar documento original do CPF, documento original PIS/PASEP/NIS, comprovante de formação acadêmica,  comprovante de experiência docente e, se possuir, o comprovante de experiência em Avaliação. As inscrições devem ser feitas por meio do site: http://www.sia.caedufjf.net/spaece/inscricao/?cargo=aplicador

Após o preenchimento do cadastro, o candidato deverá imprimir o comprovante de inscrição, anexá-lo à documentação e entregá-los na Coordenadoria Regional de Desenvolvimento da Educação (Crede) responsável pelo município no qual se inscreveu. Os inscritos no município de Fortaleza devem comparecer com a devida documentação ao escritório do CAEd: Avenida Santos Dumont, nº 1789, sala 810 Bairro Aldeota – CEP: 99.9195-42 – Fortaleza – CE.

Esse ano, o Spaece será aplicado em, aproximadamente, 677 escolas estaduais do Ceará e 4.689 escolas municipais dos 184 municípios do Ceará. Abrangerá alunos matriculados nos 2º, 5º e 9º anos do Ensino Fundamental e nas 1ª, 2ª e 3ª séries do Ensino Médio. Também irão participar todos os matriculados no 2º segmento da Educação de Jovens de Adultos – EJA do Ensino Fundamental (9º ano – 2º segmento) e da EJA do Ensino Médio (1º, 2º períodos) da rede estadual de ensino. A avaliação envolverá cerca de 685.173 alunos.

O Spaece é uma ação do Governo do Estado, por meio da Secretaria da Educação (Seduc). Tem por objetivo fornecer subsídios para formulação, reformulação e monitoramento das políticas educacionais, além de constituir uma ferramenta importante para diagnosticar os resultados escolares e prestar contas à sociedade em geral sobre a qualidade do ensino público cearense.

Por considerar a avaliação um instrumento eficaz de gestão, a Seduc ampliou, a partir de 2007, a abrangência do Spaece, instituindo a Avaliação da Alfabetização e expandindo a Avaliação do Ensino Médio para as três séries, de forma censitária. Dessa forma, o Sistema passa a ter três focos: Avaliação da Alfabetização – Spaece-Alfa (2º ano do EF), Avaliação do Ensino Fundamental (5º e 9º anos do EF) e Avaliação do Ensino Médio (1ª, 2ª e 3ª séries do EM).

Outras informações: 0800 72 73 142 (opções 2 e 2) ou e-mail: suporteavalia@caed.ufjf.br

Fonte: Seduc/CE


Criado em: 24 out 2012 | Tags:
Categoria: Notícias |

Ministro aponta redesenho do Ensino Médio como melhoria para a educação

Ao participar da terceira reunião ordinária do Conselho Nacional de Secretários de Educação (Consed), nesta quinta-feira (18) em Florianópolis (SC), o ministro Aloizio Mercadante apoiou o redesenho do Ensino Médio, com avaliação e integração das disciplinas, a fim de contribuir para um salto de qualidade na educação pública.

“A reestruturação do Ensino Médio deve abranger as quatro áreas e concentração do conhecimento do Enem [Exame Nacional do Ensino Médio]”, defendeu Mercadante ao afirmar que o Ministério da Educação está aberto à discussão do redesenho curricular. “Temos uma estrutura atual no Ensino Médio que é uma enciclopédia. Precisamos integrar uma maior articulação das disciplinas”, enfatizou.

O ministro anunciou o projeto do Governo Federal de adquirir tablets para professores do Ensino Médio da rede pública. “Avançamos nas séries iniciais e finais do Ensino Fundamental e o desejo do MEC hoje é de contribuir para a melhoria do Ensino Médio”, defendeu.

Para o governador de Santa Catarina, João Raimundo Colombo, a educação é a essência da grande transformação e há desafios enormes. Ele defendeu o ensino integral como forma de proteção dos jovens e adolescentes no ingresso à criminalidade. “Temos que avançar muito. Esse tipo de ensino integral é oneroso, mas essencial”, frisou.

“Estamos apoiando várias iniciativas dos estados para as escolas de tempo integral, porém, ainda não temos um padrão”, adiantou Mercadante ao afirmar que é necessário criar um plano comum para o país a fim de instituir essa modalidade de ensino nas escolas públicas do Brasil. “Temos vários projetos arquitetônicos e vamos discutir um padrão, com parâmetros de recursos definidos e outros. Em países desenvolvidos a qualidade do Ensino Médio está atrelada às escolas de tempo integral”, afirmou ao citar que a iniciativa é prioridade do governo, mas que não dá para fazer de uma só vez em todo o País.

DIAGNÓSTICO

Foi apresentada a prévia de um diagnóstico, resultado do trabalho integrado envolvendo as cinco regiões brasileiras (Norte, Nordeste, Sul, Sudeste e Centro-Oeste).

Segundo a presidente do Consed e secretária de Estado de Educação do Mato Grosso do Sul, Maria Nilene Badeca da Costa, a discussão inicial revelou que há uma série de pontos que requerem aprofundamento, inclusive para inclusão de dados pertinentes.

Diante disso, houve consenso entre os secretários de Educação a fim de organizar o documento e apresentar na plenária da próxima reunião ordinária do Consed, que acontece nos dias 29 e 30 de novembro, em Curitiba (PR), para validação final e entrega ao ministro Mercadante.

Na proposta preliminar os secretários de Educação do Brasil defendem a reformulação do currículo escolar para o Ensino Médio, a educação integral e de tempo integral, formação de professores e a valorização do Magistério, avaliação, infraestrutura e programas como Ensino Médio integrado à Educação Profissional, Jovens do Futuro, Ensino Médio Inovador e noturno (Educação de Jovens e Adultos).

Além disso, a proposta sugere a criação de um PAR (Plano de Ações Articuladas) para o Ensino Médio que permitirá a apresentação por parte dos estados de projetos de apoio financeiro para o MEC, bem como temas como gestão escolar, modalidade especiais de Ensino Médio (indígenas, quilombolas, EJA, educação especial) e os novos cenários do Ensino Médio Técnico.

Validado o documento pelos secretários de Educação, a proposta será apresentada ao MEC até o dia 7 de dezembro.

Fonte: Secretaria de Educação do Mato Grosso do Sul


Criado em: 22 out 2012 | Tags:
Categoria: Notícias |

Governo oficializa Saero

Com a proposta de implementar políticas públicas com foco na eliminação dos pontos frágeis para a melhoria da educação, o governo do Estado lançou oficialmente nesta terça-feira (16), através da Secretaria da Educação (Seduc), o Sistema de Avaliação Educacional de Rondônia (Saero), primeiro item das sete metas estabelecidas em 2011 pelo governador Confúcio Moura, conforme lembrou a gerente de Avaliação e Estatística da Seduc, Maria da Conceição Silva Pinheiro.

O evento, realizado no auditório da Escola Estadual Major Guapindaia, em Porto Velho, contou com a presença de várias autoridades, entre elas o governador Confúcio Moura, o conselheiro do Tribunal de Contas do Estado (TCE), José Gomes de Melo; alunos e educadores, que ao final participaram de uma palestra ministrada pela professora-doutora, Lina Kátia Mesquita de Oliveira, coordenadora da unidade de avaliação do Centro de Políticas Públicas e Avaliação da Educação da Universidade Federal de Juiz de Fora (CAEd/UFJF-MG), que auxiliará a equipe de Rondônia, por meio de convênio de cooperação técnico-financeira.

Conforme o governador, o Saero consiste em uma espécie de Ideb [Índice de Desenvolvimento do Ensino Básico], que pontuará as fragilidades da educação a nível estadual, como disparidade da idade e série entre os alunos, causas da evasão, escolas com menos desempenho, entre outros, para que sejam criadas ações estratégicas com vistas ao nivelamento.

A primeira avaliação está marcada para o dia 7 de novembro, nos três turnos, em todas as escolas da rede estadual que oferecem o 2º, 5º, 6º e 9º anos do Ensino Fundamental; e do 1° ao 3º anos do Ensino Médio. Ao todo serão avaliados pelo menos 123 mil alunos dessas séries, em três anos consecutivos. “O Sistema vai avaliar cada escola para traçar comparações e atuar nos pontos frágeis, pois não adianta investir sem ver o desempenho dos alunos, principalmente em disciplinas, como português e matemática. A princípio já sabemos que nem sempre é a bela estrutura física que motiva a aprendizagem. É o professor que faz a diferença”, afirmou Confúcio Moura, citando como exemplo a Escola Bom Jesus, na Capital, que apesar de funcionar em instalações improvisadas obteve a pontuação de 5,6 no Ideb divulgado este ano. “Nosso objetivo é ter a melhor educação da Amazônia”, completou.

Ao parabenizar o governo por mais esta iniciativa que vislumbra a melhoria do ensino na rede pública, o conselheiro José Gomes afirmou que se trata de importante ferramenta que permitirá aos pais e também ao TCE acompanhar o desempenho dos alunos e a correta aplicação dos recursos públicos. Ele lembrou também que até 1960 pelo menos 60% dos universitários brasileiros eram oriundos do ensino público.

Ao ressaltar a importância do Saero como indicador de qualidade da educação, de instrumento norteador e de monitoramento das políticas públicas da educação em todo o Estado, a secretária da Educação, Isabel Luz, mencionou outros projetos em desenvolvimento, como o da Escola Integral e o Ensino Médio Inovador. A iniciativa do governador também foi elogiada pelo deputado estadual, Euclides Maciel, que ainda anunciou emenda de R$ 100 mil para ser liberada em 2013 pelo governo para a Orquestra da Escola Estadual Daniel Neri, que intercalou a solenidade com a execução do Hino Céus de Rondônia e outras canções, sob o comando do maestro Eliéser.

De acordo com a professora Lina Kátia, o CAEd/UFJF é referência nacional, com atuação em 21 Estados. Só em 2011, segundo ela, foram avaliados 16 milhões de alunos, entre eles os do Ceará, Estado que em 2007 tinha 26% de alfabetizados e hoje conta com 78%.

Fonte: Secretaria de Educação de Rondônia


Inep defende avaliação censitária do ensino médio

São Paulo – O presidente do Inep (Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira), Luiz Cláudio Costa, defende que o ensino médio seja submetido a uma avaliação censitária, e não por amostra como ocorre atualmente com a Prova Brasil. O MEC (Ministério da Educação) estuda trocar a Prova Brasil pelo Enem (Exame Nacional do Ensino Médio) para calcular o Ideb (Índice de Desenvolvimento da Educação Básica) do ensino médio.

“A avaliação de o ensino médio migrar para o censitário é praticamente consensual [dentro do MEC], o outro [estudo] ainda em debate é o da matriz, da migração do Saeb/Prova Brasil para o Enem, esse está demandando mais estudos”, disse Costa a jornalistas nesta quarta-feira, depois de participar de um seminário sobre qualidade do ensino médio.

A evolução do Ideb no ensino médio foi tímida – passou de 3,6 (2009) para 3,7 (2011). Considerando apenas a rede estadual, o indicador ficou estagnado em 3,4, sendo que no Distrito Federal e em nove Estados houve queda. O governo nega que uma possível substituição da Prova Brasil pelo Enem na avaliação do ensino médio tenha como objetivo “maquiar” os números.

“Os resultados (da avaliação por amostra) são válidos, não há problema em trabalhar com a amostra, mas você envolve mais a sociedade, a escola, os professores quando você trabalha com a (avaliação) censitária, esses são resultados preliminares que ainda serão avaliados”, afirmou Costa.

O presidente do Inep pretende discutir o tema com secretários de Educação estaduais antes de qualquer definição. Uma das preocupações é não perder a série histórica projetada para os próximos anos – a meta do Ideb para 2021 é 5,2.

Durante uma das mesas do debate, Costa considerou “muito interessante” a proposta de usar o Enem como indicador de avaliação do ensino médio. “É possível numa mesma prova avaliarmos o estudante e a escola? Estamos fazendo um estudo profundo, a princípio, é muito interessante.”

O ministro da Educação, Aloizio Mercadante, destacou a articulação entre disciplinas e a distribuição de tablets com projetor digital para professores como forma de tornar o ensino médio mais atraente para os estudantes. Segundo o ministro, o governo também discute com as operadoras a melhora no serviço de banda larga para as escolas. “Quando se olha o Ideb, estamos estabilizados, estabilidade em educação em um País como o Brasil é retrocesso, temos problema e não tem como deixar de encarar isso com coragem”, disse Mercadante. “É formando bons professores que vamos melhorar a qualidade da educação.”

Para o ex-presidente do Inep João Batista Gomes, não se resolve um problema dessa natureza em menos de 20 anos. “Tem de ter continuidade das políticas. Hoje, o ensino médio é ineficiente, ineficaz, não dá pra resolvê-lo com uma geração”, declarou.

Fonte: UOL


Criado em: 16 out 2012 | Tags: , , , ,
Categoria: Notícias |

Para analistas, baixa qualidade do ensino e taxa de reprovação “expulsam” jovem da escola

Caiu o número de jovens na escola a partir dos 15 anos de idade. O dado da Pnad 2011 (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios), divulgado pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), explicita um problema que preocupa há algum tempo pesquisadores da educação: a escola não consegue reter o adolescente.

Segundo a Pnad, 83,7% dos jovens entre 15 e 17 anos estudavam em 2011. O número é mais baixo do que o apurado em 2009, quando a taxa era de 85,2%. Isso siginifica 1,7 milhão de jovens fora da escola – população equivalente à de Curitiba.

“O jovem que vai à escola não encontra o professor de determinada disciplina ou não tem a aula de maneira adequada. Esse jovem percebe que essa escola [da maneira como é oferecida] não garante um lugar no mercado de trabalho. Então considera que o mais lógico é abandonar a escola”, explica a professora Marcia Malavasi, da Faculdade de Educação da Unicamp (Universidade Estadual de Campinas). “Dessa maneira, a escola ‘expulsa’ os jovens do ensino médio”, conclui.

Uma pesquisa realizada pelo Ibope, em parceria com o Instituto Unibanco, em 2011 mostra que os estudantes do ensino médio perdem entre 17% e 40% dos dias de aulas, na maioria dos casos, por falta de professor.

Desinteresse

“O jovem diz que não tem interesse, não tem saco, não gosta da escola”, afirma Haroldo Torres, diretor de análise e disseminação de informações da Fundação Seade. Segundo ele, até existe um reconhecimento de que estudar “é importante para o futuro”, mas isso não se traduz em esforço para se manter na escola.

A falta de interesse do aluno parece ser resultado de um conjunto de situações, que vão da baixa qualidade do ensino, falta de professores e altos índices de reprovação a problemas de infraestrutura escolar, como a falta de bibliotecas e salas de estudo.

“O jovem tem dificuldades para chegar até a escola, pois é longe e o transporte é caro. Quando ele chega, não tem professor e a escola sequer tem uma biblioteca para manter o aluno ali estudando”, critica Marcia.

Retenção

A probabilidade de evasão do jovem aumenta conforme o número de repetências no histórico escolar. “O nosso sistema é muito reprovador, sobretudo em algumas regiões. No Nordeste, por exemplo, é muito comum as pessoas ficarem retidas no ensino fundamental”, explica Torres.

“Não dá para dizer que o jovem está saindo da escola para ir trabalhar, pois caiu a taxa de ocupação até os 29 anos. Existe uma parte da população aí que não estuda nem trabalha” – MARIA LUCIA VIEIRA, gerente de pesquisa do IBGE

O Censo Escolar de 2011 revelou que a taxa de reprovação no ensino médio brasileiro atingiu 13,1%, maior número desde 1999.

A avaliação de que os altos índices de retenção desestimulam o aluno ecoa na fala do pesquisador Simon Schwartzman, do Iets (Instituto de Estudos do Trabalho e Sociedade).

“A educação pública brasileira é em geral muito mal gerenciada, com níveis absurdos de reprovação e dependência. Basta “arrumar a casa”, garantir que os professores venham e dar aulas de reforço para os alunos que ficam para trás para que os indicadores comecem a melhorar”, diagnostica.

Estrutura

Apesar do aumento no investimento no ensino médio, com a criação do Fundeb (Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação) que atende toda a educação básica, os números do ensino médio não melhoraram. Uma das hipóteses é de que o currículo não agrade a esse jovem.

“É importante deixar de obrigar todos a seguirem os mesmos currículos, abrir espaço para escolhas, e ampliar de maneira muito significativa a alternativa de formaçao profissional sem mantê-la atrelada ao ensino médio regular”, argumenta Schwartzman.

Fonte: UOL


Criado em: 16 out 2012 | Tags: , , ,
Categoria: Notícias |

I Jornada de estudos do LACE

Nos dias 4 e 5 de outubro realizou-se, no Rio de Janeiro, a I Jornada de Estudos do LACE – Laboratório de Avaliação de Competências da Educação Básica. O evento, que contou com a participação dos 24 Analistas de Instrumentos de Avaliação do LACE, teve o objetivo de socializar as experiências vividas por alguns dos analistas no II CONAVE, que realizou-se entre os dias 24 a 26 de outubro, em Bauru.

A I Jornada de Estudos do LACE foi coordenada pelas professoras Vanessa Tomaz e Hilda Micarello e teve como principal desdobramento o estabelecimento de uma pauta com temas relevantes para a formação das equipes do LACE/CIA e a definição das próximas ações de pesquisa do Laboratório.

Tais ações focalizarão a análise dos parâmetros dos itens aplicados nas avaliações do ano de 2012 nos diferentes programas avaliados pelo CAEd.

 

 

 

 

 


Criado em: 11 out 2012 | Categoria: Notícias |

Qualidade do ensino passa por participação das universidades

As universidades federais devem ter maior participação em ações para superar o desafio da educação básica, na visão do ministro da Educação, Aloizio Mercadante. Ele fez essa afirmação durante a solenidade de abertura do seminário Qualidade do Ensino Médio, promovido pela Associação Nacional de Dirigentes das Instituições Federais de Ensino Superior (Andifes), nesta quarta-feira, 10.

Para o ministro, há uma necessidade de repactuar a relação entre a universidade e o ensino médio brasileiro. A proposta do ministro estimula a criação de núcleos de estudos sobre o ensino médio e formação de professores dentro das instituições. “As universidades públicas precisam se debruçar sobre as necessidades da formação dos docentes para uma nova realidade de ensino, desde a formação inicial”, afirmou.

Além da formação e valorização dos docentes, o desafio do ensino médio, segundo Mercadante, deve ser abordado em diferentes campos, como a ampliação da capacitação dos gestores escolares, fomentando cursos de especialização para diretores de escola, o desenvolvimento de novas práticas e o redesenho do currículo escolar, com o ensino médio inovador.

Mercadante defendeu que a utilização do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) como mecanismo de entrada na universidade gera uma demanda para o redesenho do currículo. “Precisamos sair de uma estrutura enciclopédica, como temos hoje, para um modelo que articule e integre as disciplinas e construir um processo mais orgânico na formação”, defendeu.

Para o presidente do Instituto Nacional de Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), Luiz Cláudio Costa, o Enem é um meio de democratizar o acesso à educação superior. Costa, que palestrou sobre a importância da avaliação para formulação de políticas públicas para o ensino médio, ressaltou que a qualidade da educação brasileira está avançando. “A pergunta que nos cabe hoje é se a velocidade do avanço é suficiente para acompanhar as questões sociais e econômicas que o mundo nos impõe”, disse.

Cotas – O ministro Aloizio Mercadante esclareceu questões sobre a implementação da Lei nº 12.711, de 29 de agosto de 2012, conhecida como Lei de Cotas. A lei determina a reserva de 50% das vagas, em quatro anos, em instituições federais de educação superior a estudantes de escolas públicas, com base no perfil racial de cada unidade da Federação, conforme dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Estabelece também vagas para alunos com renda de até 1,5 salário mínimo familiar per capita.

Para Mercadante, as cotas são uma política social de impacto de médio e longo prazo. “Muitos alunos que ingressaram pelas cotas são os primeiros de suas famílias que chegam à universidade”, concluiu.

Fonte: MEC



Criado em: 11 out 2012 | Tags: ,
Categoria: Notícias |
12